História

A História da Paróquia Maria Mãe dos Caminhantes, começa em 1978, quando o Parque Paraíso era constituído de poucas e modestas casas, ruas ainda sem asfalto, mas um povo acolhedor. Naquela época, Pe. João Pedro Baresi, missionário comboniano começou a visitar as famílias do bairro, principalmente os doentes. Organizou círculos bíblicos nas famílias e turmas de crianças para a catequese. Em 1981, precisamente no dia 15 de janeiro, as irmãs Franciscanas de Boulanden  chegaram para morar nobairro e contribuir na missão que já havia começado. Ouve uma celebração no pátio do colégio Joaquinzão. As Irmãs, o Sr. Adenor Pedrosa e algumas outras pessoas começaram a planejar as pastorais. Em setembro teve inicio no salão da casa das irmãs o trabalho com os meninos de rua, cujos pais ausentes do lar, devido ao trabalho, deixava-os na rua. Formou-se então, o “Meninos do Clube”. Após três anos de árduo trabalho e doação, o Pe. João Pedro deixou a comunidade. O Pe. Renato foi quem nos acompanhou, vezes e outra, celebrando a Santa Missa. Com a ajuda do Dom Fernando Penteado foi comprado um terreno onde hoje temos a Igreja. Os anos se passaram até que um grupo da comunidade começou a construir um salão, que até hoje existe em nossa Paróquia, para que assim ficasse mais fácil para as pessoas se reunirem e celebrarem a Missa.

Pe. Alberto Gambarini

Pe. Alberto  Gambarini

No dia 09 de abril de 1988, o Pe. Alberto Gambarini anunciou aos participantes da reunião dos catequistas que havia recebido a verba da “Adveniat”, uma instituição da Alemanha que até hoje ajuda regiões mais carentes. Deste modo, tornava-se possível a construção da Igreja. Outro momento marcante aconteceu em 16 de abril, quando o Pe. Luis Viganô, outro padre que muito nos ajudou, juntamente com as catequistas Jaidete e Irmã Neusa celebrou a primeira Eucaristia de quatorze crianças. Neste tempo já havia vários grupos e pastorais: grupo dos trabalhadores, pastoral do mundo do trabalho, pastoral do batismo, da catequese, da moradia, dos idosos, do negro, pastoral operária, encontros de casais, encontros de fé e política, grupo de mulheres, de novena de natal e outros. Era frequente a presença de Dom Fernando Penteado, então Bispo auxiliar da região episcopal de Itapecerica da Serra.

Pe. Pedro Paganin

Pe. Pedro Paganin

A presença de um padre era um desejo comum. O povo até já havia construído a casa para o Padre morar. Deste modo, no ano de 1989, mais precisamente na quarta feira de cinzas, Pe. João Pedro pediu a um padre que era seu colega, que estava em situação indefinida, para vir celebrar a Santa Missa na comunidade. Foi neste dia que a comunidade São Francisco de Assis recebeu o Pe. Pedro Paganim, momento de muita alegria para todos. No dia 04 de março do mesmo ano, Dom Fernando Penteado deu posse ao Pe. Pedro na quase Paróquia. Depois de muita conversa chegaram a conclusão que o nome da Paróquia seria Maria Mãe dos Caminhantes, uma vez que no bairro havia pessoas de vários lugares do Brasil e Maria Mãe dos Caminhantes era para lembrar que Maria estaria sempre junto dessas pessoas. Deste modo, com grande alegria, no dia 29 de junho de 1989, foi criada a Paróquia Maria Mãe dos Caminhantes pelo primeiro Bispo diocesano de Campo Limpo, Dom Emílio Pignoli. Passava a fazer parte da Paróquia o bairro Parque Paraíso, o Jardim Sampaio, onde foi formada a comunidade São Pedro, o Jardim Itapecerica, onde tínhamos a Comunidade São João Batista, o Jardim Montezano, onde se organizou a comunidade Jesus de Nazaré. A partir da criação da Paróquia, começamos a trabalhar ainda mais para estarmos a serviço de Deus e do povo. Os leigos trabalhavam de um lado, o Pe. Pedro de outro celebrando, atendendo confissões tanto na matriz como nas comunidades. Muitos encontros de rua, muitas pastorais continuaram seus trabalhos ou foram organizadas. Também neste tempo foi construída a primeira Igreja.

Dom Emílio Pignoli

Dom Emílio Pignoli

Em 1998, aconteceu a visita pastoral de Dom Emílio. Ele se reuniu com as pastorais, celebrou com o povo, inclusive em todas as comunidades. Os então seminaristas, Marcio, Antonio Alexandre e Odair o acompanhavam. Houve missões com jovens nas casas. Foi um momento de muita alegria.

Aos poucos as pessoas iam se achegando, e a Igreja recentemente construída ficou pequena. Pensou-se então na ampliação da Igreja. Todos se esforçavam muito preparando festas juninas, festas do padroeiro, campanhas especiais. Nesse meio tempo, o Pe. Pedro teve sérios problemas de saúde. Enquanto o Pe. Pedro se recuperava recebemos ajuda de várias pessoas, tais como o Pe. Francisco Zeno que por várias vezes nos consagrou o Pão e o Vinho. Após o tratamento e repouso, graças a Deus e à oração de todo o povo da Paróquia, Pe. Pedro recuperou e foi aos poucos retomando suas atividades. O então seminarista Amarildo veio ajudar, contribuindo e muito no auxílio das pastorais. Se a Paróquia cantasse, ela poderia repetir aquela canção que diz: Achei difícil a viagem até aqui, mas eu cheguei, mas eu cheguei. E ainda: tive ajuda de quem você não acredita tive a esperança de chegar até aqui. Vim caminhando, aqui estou, me decidi: eu vou ficar, eu vou ficar… É verdade que a caminhada, às vezes parecia difícil, mais muitos continuavam lutando e, graças ao bom Deus, ao trabalho de muitas pessoas, à ajuda e a fidelidade de muitos paroquianos conseguimos construir uma Igreja maior, bonita e acolhedora, dedicada e Deus no dia 9 de novembro de 2002. Na dedicação, já havíamos recebido de braços abertos o então seminarista Odair. A pedido da comunidade, preparou formações para ministros e leitores da palavra de Deus. Celebrava nas comunidades, auxiliava o Pe. Pedro nas Missas, e cada vez mais se destacava na pregação da palavra de Deus. Ao ser ordenado padre, no dia 14 de dezembro de 2003, Bispo Dom Emílio, vendo os novos desafios da Paróquia, a quantidade de pessoas para o Pe. Pedro cuidar sozinho, atendeu o pedido de muitos paroquianos que chegaram, inclusive, a fazer um abaixo assinado, e o deixou na Paróquia. Pe. Odair celebrou sua primeira Missa, de sua aqui na Matriz Paroquial no dia 17 de dezembro de 2003. No dia 18 de janeiro de 2004 assumiu a responsabilidade de levar adiante a Paróquia. Várias pastorais já estavam atuando com todo vapor e fazendo um belo trabalho, sobretudo a catequese, a crisma, a pastoral do batismo, a pastoral da criança e outras. Mas havia novos desafios, pois cada tempo tem seus desafios. Diante disso, fizemos o primeiro Encontro de Casais com Cristo da Paróquia, criamos o movimento da Mãe Peregrina que visita as famílias, convidando-as a se abrirem a Cristo, reorganizamos a pastoral do dízimo e a pedido de nosso Bispo, fizemos o senso paroquial. Investimos na formação de nossos catequistas, dos músicos, dos leitores e demais pessoas que exercem algum tipo de missão. O Pe. Odair sempre fala: se o padre se preparou tantos anos os leigos também merecem apoio, inclusive financeiro, para receberem formação e assim se sentirem preparados para a missão de evangelizar. Apesar do Pe. Odair dar aula, continuar estudando, a comunidade, com dois padres se sentia feliz e agradecida a Deus.

Pe. Odair Eustáquio

Pe. Odair Eustáquio

No dia 1º de julho de 2007, Dom Emílio nomeou o Pe. Odair, Pároco de nossa Paróquia. Queremos ainda lembrar algumas outras pessoas, tais como a Irmã Neusa, Irmã Tereza, Irmã Lídia, Pe. Dimas, Pe. Lino Cordeiro, as irmãs Elvira, Alice, Dulce e Heloísa, também tantos leigos e catequistas que doaram ou ainda doam parte de suas vidas nesta Paróquia.

Percebendo a necessidade de novas comunidades em alguns bairros, Pe. Odair, com a colaboração de pessoas perseverantes na fé, criou outras duas comunidades, a saber: Comunidade Jesus de Nazaré, no Centro de Convivência – Gleba 7, e a Comunidade Nossa Senhora de Fátima, no Jardim Santa Amélia.

Em resumo, fato é que a palavra de Deus e a Eucaristia recebida em cada Missa continuam alimentando a esperança e o trabalho de todos nós. Entre as pastorais que já existiam ou formamos nos últimos tempos, podemos, com alegria citar: batismo – catequese – criança – crisma – familiar- dízimo – juventude – liturgia – vocacional – saúde – acolhida – social – comunicação – carcerária e também os movimentos da Mãe Peregrina, o E.J.C. (Encontro de Jovens com Cristo), o E.C.C. (Encontro de Casais com Cristo) e o Apostolado da Oração. Contamos também com o trabalho dedicado dos ministros, coroinhas e tantas pessoas que talvez esquecemos.

Devido ao aumento de pastorais e da evangelização percebemos que o espaço físico estava insuficiente, então em reuniões de conselho ficou decidido que construiríamos um Centro Pastoral e Social no terreno em frente à Igreja que já pertencia a Paróquia. Foram feitas festas, campanhas especiais e um carnê para levantar fundos para o início das obras, Sr. Lacir Baldusco voluntariamente fez o projeto do prédio. Com a graça de Deus e ajuda de toda comunidade no dia 28/06/09 foi inaugurado por Dom Luiz Antônio Guedes, Bispo diocesano, o Centro Pastoral e Social São Francisco de Assis, encerrando neste dia a Festa de 20 anos da Paróquia. Na construção contamos com ajuda de mais de 1.200 fiéis que colaboraram através do carnê da construção. No dia 08/07/09 foi inaugurada a Livraria Paroquial um novo instrumento de evangelização. Hoje o Centro Pastoral e Social é um local de suma importância para todos os paroquianos.

Nos últimos anos tivemos, ainda que por pouco tempo, a preciosa ajuda dos padres : Claudionor Melo, Edmilson Behring, Francisco Ribeiro e Everton Marqui, aos quais somos agradecidos por participarem de nossa história.

Enfim, são muitas as histórias, muitas as pessoas, das quais poderíamos falar, mas ao terminarmos esta breve história, queremos apenas pedir a Deus que todos os paroquianos, juntamente com os Padres, façam nossa Paróquia crescer cada vez mais no anúncio do Evangelho, no testemunho de Jesus Cristo, Caminho, Verdade e Vida, continuando assim, o caminho rumo a Deus, nosso fim último.

Deus seja louvado por estes 24 anos de existência da Paróquia Maria Mãe dos Caminhantes!